terça-feira, junho 05, 2007

Teatro ágil

[postagem de 05/10/06 no grupo agile-brasil]

Bom amigos, vou citar a seguir uma experiência que realizei recentemente e que - para o meu objetivo - foi extremamente satisfatória. Pode parecer "loucura" para alguns, mas não podemos esquecer que "tornar o trabalho divertido" é uma das principais práticas para termos equipes ágeis.
Eu procuro sempre, antes de iniciar um projeto e propor metodologias, processos, etc., realizar o que eu chamo de "acompanhamento" junto ao cliente...o que é isso? Eu passo, digamos, duas semanas a um mês acompanhando o dia-a-dia do cliente, as práticas atuais, os vícios, a cultura da empresa, etc. Após isso normalmente eu realizo uma espécie de kick-off sugerindo o que "a meu ver" se encaixa para a melhoria dos processos de desenvolvimento de software da empresa. Pois bem, isso normalmente funciona, mas sempre achei que faltava um "algo mais"...então recentemente resolvi experimentar algo...que foi bem mais ágil e divertido.
Após o tal acompanhamento resolvi "mudar de profissão" e escrevi um "roteiro" de uma estória que inícia com os problemas comuns do desenvolvimento de software e tem um final feliz com a implantação de processos ágeis. Com isso em mãos convidei alguns colaboradores do cliente (os mais e menos envolvidos) e montamos uma espécie de "teatro" contando a estória de uma empresa fictícia que passa por todos os problemas até chegar à implantação de atitudes e de uma abordagem ágil. Como disse - pode parecer loucura - mas o resultado foi impressionante, pois o cliente durante a apresentação "se viu" no "palco", viu seus erros, identificou soluções para esses erros (como a mulher que assite novela e se identifica com um personagem, e depois tira aquilo como lição para querer mudar). Quando digo o cliente, digo "todos os envolvidos", a "platéia" presente.
Penso que a agilidade tem que ser aplicada desde o início...desde a forma com que você aborda o cliente, e, novas técnicas de facilicação, como a do teatro, podem gerar resultados interessantíssimos.

Alexandre Magno Figueiredo

Um comentário:

vitu disse...

Olá Alexandre, parabens pelo blog, está ótimo!

mas não intendi direito como você fez esse teatro. você poderia dar mais detalhes?